Blog

Neste espaço falamos sobre saúde e bem-estar. Acompanhe o Laboratório Pasteur de onde estiver.

Aprendendo a dizer não à hipertensão arterial.

28

Apr

Aprendendo a dizer não à hipertensão arterial.

Você já reparou o que acontece quando alguém pisa em uma mangueira no jardim? Se ela estiver ligada, o fluxo de água é interrompido e, dependendo da pressão, ela pode até estourar.
Pois é exatamente isso que pode ocorrer em pessoas que sofrem de hipertensão arterial, ou a famosa pressão alta: o aumento anormal e por longo período da pressão que o sangue faz ao circular pelas artérias.
Ao bombear o sangue para todas as partes do nosso corpo, o sangue faz uma pressão natural na parede das artérias. Os médicos fazem a medição no momento em que o sangue é liberado pelo coração. A pressão sistólica (máxima) não deve ser maior que 12. A pressão diastólica (mínima) deve ficar próxima de 8. Por isso se diz que a pressão considerada normal é a de 12 por 8.
Infarto, AVC e insuficiência renal
O coração é o órgão mais afetado quando a hipertensão arterial está descontrolada, pois ele pode não receber sangue e oxigenação suficientes, levando-o ao infarto. Já as artérias da cabeça, com a constante pressão elevada, passam a não mais se dilatarem e podem chegar até mesmo a entupirem ou se romperem. Este é exatamente o quadro do acidente vascular cerebral (AVC), também conhecido como derrame.
Outro órgão que passa a não funcionar corretamente nesses casos são os rins. Ao não filtrar o sangue como deveria, a hipertensão - ocorrendo a longo prazo - pode levar o indivíduo a desenvolver insuficiência renal.
Os principais sintomas da hipertensão arterial surgem quando a doença já está em estágio mais avançado. Por isso, todo cuidado é pouco se você estiver com alguns destes sintomas:
- Dor de cabeça
- Falta de ar
- Visão turva
- Dor no peito
- Tonturas
Alguns fatores de risco fazem com que as chances de uma pessoa desenvolver hipertensão arterial aumentem consideravelmente. Por exemplo, filhos de pais hipertensos têm 30% mais chance de também sofrerem desse mal. Indivíduos acima dos 60 anos também, já que a partir dessa idade as artérias perdem flexibilidade. Obesidade, estresse, excesso de bebida alcoólica e sedentarismo igualmente não ajudam.
Para ficar longe da pressão alta, é importante seguir algumas indicações. Manter um estilo de vida saudável e praticar exercícios físicos induz a liberação de óxido nítrico, substância vasodilatadora.
Uma dieta rica em vegetais, frutas, legumes e grãos integrais ajuda na ingestão de potássio, cálcio e magnésio: minerais que regulam a contração dos vasos sanguíneos e coração. O consumo moderado de sal também faz a diferença.
E, claro, buscar acompanhamento de um médico ao longo de todo o processo, seguindo suas orientações em todas as etapas.